Amigos do Rogers

26 de junho de 2009

Que livro sou eu?

Esses dias atrás, ao visitar o blogue de um colega de mestrado, o Adriano, me deparei com uma brincadeira que achei muito interessante. Era o seguinte: Se você fosse um livro nacional, qual livro seria? Um best-seller ultrapopular ou um relato intimista? Faça o teste e descubra. Coincidentemente, o livro que eu seria foi um dos livros que mais li e mais gostei na vida. Eis o resultado abaixo (para fazer o teste clique AQUI):



Memórias póstumas de Brás Cubas, de MACHADO DE ASSIS
Ok, você não é exatamente uma pessoa fácil e otimista, mas muita gente te adora. É possível, aliás, que você marque a história de sua família, de seu bairro... Quem sabe até de sua cidade? Afinal, você consegue ser inteligente e perspicaz, mas nem por isso virar as costas para a popularidade - um talento raro. Claro que esse cinismo ácido que você teima em destilar afasta alguns, e os mais jovens nem sempre conseguem entendê-lo. Mas nada que seu carisma natural e dinamismo não compensem.


"Memórias póstumas de Brás Cubas" (1881) é considerado o divisor de águas entre os movimentos Romântico e Realista. Uma das expressões da genialidade de Machado de Assis (e de sua refinada ironia), há décadas tem sido leitura obrigatória na maior parte das escolas e costuma agradar aos alunos adolescentes. Já inspirou filme e peças de teatro. É, portanto, um caso de clássico capaz de conquistar leitores variados. Proezas de Machado.