Amigos do Rogers

15 de setembro de 2011

Trechos de 'Amor-perfeito' (Parte I)

"...com você a vida flui, a vida se existe, não precisamos inventá-la ou reinventá-la a todo instante durante toda a eternidade".

"Cometas e eclipses foram feitos para nós, nós dois, e se cometas não caem na Terra é porque sabem que aqui estamos nos amando...""...basta querer, basta querer que o mar caiba aqui nessa minha mão fechada e ele caberá, e juro que nenhuma gota cairá, não deixarei nenhuma gota cair para poder te presentear o mar, o mar inteiro, todo o mar que existir só para você, somente para você, vem, pegue, aqui está o mar na minha mão fechada, vem logo meu amor, vem logo senão ele pode secar".

"...eu e você nos amávamos como nunca havíamos amado antes em outro lugar ou situação, ruína existe para quem não ama, ruína não existia para nós".

"Te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo te amo, e falaria te amo um milhão de vezes se tempo houvesse, mas não há, não porque sou ingênuo ou exagerado, mas apenas porque te amo, só isso, nada mais".

"...nós nos detínhamos no umbigo do outro, o seu umbigo era mais importante que o meu para mim e o meu umbigo era mais importante que o seu para você, e brincávamos, ríamos, meu dedo menor fazendo cócegas no seu umbigo fundo".

"...sim meu Lúci, nome lindo, apesar do peso que incide sobre ele e suporta altivamente você sempre será meu Lúci, mesmo que duas palavras tão simples como essas não consigam revelar a essência do que é sentir com toda capacidade possível algo sutil e ao mesmo tempo transcendental a ponto de eu não poder dormir sem ouvir você dizer nos meus ouvidos embora longe que eu sou seu Gabriel".

"...três luas no céu apareciam quando espalmadas minha mão e a sua se encontravam e nossos olhares se baixavam, dois sorrisos espontâneos surgiam, e levantávamos a outra mão e com olhos fechados tentávamos fazê-las se encontrarem, e se encontravam, visto que já sabíamos antes de nascermos o destino de nossas mãos, a minha ao encontro da sua, que é cheia de vigor, cheia de vida".

"Quando inventaram a distância, o tempo e a velhice com o único propósito de tentar nos deter, eu e você, meu Lúci, inventamos o abraço, o presente e a jura de que morreríamos só se fosse por amor".

"E se sorrio é porque tenho a certeza de ouvir você dizer até se cansar, e você não se cansa nunca, que vai me amar até os doces de leite do mundo inteiro se acabarem".


* Trechos do conto Amor-perfeito, publicado na coletânea Portal 2011, org. Nelson de Oliveira.
** Em muito breve um exemplar da coletânea Portal 2001 será sorteado entre os seguidores deste blogue. Participe!